PORTUGAL NO SEU DIA, ESCRITO POR MIM, À SOMBRA DE GIL VICENTE


Sucede um país adormecido,
à sombra do dinheiro alheio,
políticos e feiticeiros trazidos,
ávidos de fortunas e devaneios,
de casas, carros e motas possuídos,
samicas de vaidades e pavoneios.

Nas ruas o sol ainda é público,
pelos impostos pode deixar de ser,
não se lhes esconde o umbigo,
por terem mais do que fazer,
correm o país  sem ser preciso,
apetece mandá-los foder!

O povo trabalha e vota,
sem  cuidar de melhor cousa,
parece que não pensa nem cabota,
apenas chora, ri e afrouxa,
na hora certa sempre embota
faz malas e põe a vontade na trouxa.

País adiado prós sempres,
descuidado no grande exigir,
exibindo banqueiros indecentes,
de caga merdeira potentes
financiados até aos dentes
com a benção politica a cobrir.

O que vale mais é o Facebook,
ou em alternativa o instagram,
que não se lhes estrague o estuque,
barrados de merdeira e cousa vã,
preocupados só com o “look”,
indignados estendidos num divã.

© AL.2018

Comentários